Livros

Armando Brito de Sá


MGFamiliar . - Monday, September 24, 2012

"Aequanimitas". With other Addresses to Medical Students, Nurses and Practitioners of Medicine de Sir William Osler. New York: The Blakinston Division, McGraw-Hill, Inc. 1937

Sir William Osler (1849-1919) é uma das figuras marcantes da prática e do ensino da medicina do Século XX. Um conjunto de comunicações e conferências por si produzidas foi editado pela primeira vez em 1904; a segunda edição, de 1906, vê serem adicionadas três conferências, uma das quais, The fixed period, gerou forte polémica pela tese que defendia – de que a produção intelectual humana mais relevante acontece até aos quarenta anos, e que a partir dos sessenta o homem se torna mais travão que alavanca de conhecimento.

O livro tomou o nome da primeira conferência, Aequanimitas, proferida a um de Maio de 1889, tendo-se tornado um dos mais conhecidos livros na área médica no mundo anglo-saxónico.

Conheci Aequanimitas relativamente tarde – na verdade foram os escritos de Ian McWhinney que me puseram no encalço desta obra – e desde então tornou-se literalmente num dos meus livros de cabeceira. Naturalmente algumas das conferências estão hoje datadas, tendo perdido muita da sua relevância.

O que torna este livro numa obra única é a forma transcendente como Osler reflecte sobre a medicina e o ser-se médico. As imagens por ele transmitidas não se limitam a reflectir a sua concepção da medicina no virar do século XIX – homens (à época ainda raras mulheres) cujo conhecimento médico tinha obrigatoriamente de assentar numa sólida cultura clássica, viajados, actualizados cientificamente, sabedores tanto do ponto de vista teórico como competentes do ponto de vista prático.

Osler escreve com a maior naturalidade aforismos e pensamentos que, arrisco-me a predizer, serão lidos dentro de séculos, a par dos escritos hipocráticos.

 

 

"Cidadela" de Antoine de Saint-Exupéry. Prefácio e tradução de Ruy Belo. Lisboa: Editorial Presença. 1996 (1ª Edição)

Os livros do final da adolescência são, por norma, os mais marcantes nas nossas vidas. Não foi excepção comigo – algumas das obras que mais prezo li-as nesse tempo.

A Cidadela, de Antoine de Saint-Exupéry, belissimamente traduzida e prefaciada por Ruy Belo e ao tempo editada pela Aster, foi de todas aquela a que regresso regularmente. Alia uma estética de contenção quase espartana a uma profundidade imensa, ainda que por vezes se sinta o pensamento divagar.

Este é, aliás, um repositório de textos não exactamente dispersos mas cuja organização não estava terminada: Saint-Exupéry desaparece antes da conclusão da obra. O cenário é o deserto: seco, duro, impiedoso, não tolerando a mínima fraqueza. O narrador é aquele que governa a cidade, com um misto de piedade e punho de ferro. Conjura com frequência a sabedoria do seu pai ao mesmo tempo que ministra ensinamentos ao seu filho.

Deste modo a linha do conhecimento cursa harmoniosa entre gerações. A decisão ética é aqui imperativa, e sempre um acto solitário. Cidadela é uma obra para todos os tempos e para todos os homens. Temos o dever moral de a passar de geração em geração

Comments
Post has no comments.

Post a Comment




Captcha Image