MaisOpinião +

Renovação de prescrições respiratórias em MGF - uma opinião diferente


MGFamiliar ® - Sunday, December 18, 2016




Aproveito o interesse do colega Nelson Brito sobre a transição para os CSP da prescrição dos cuidados respiratórios domiciliários (CRD), para aportar uma visão diferente em relação a dois assuntos completamente distintos que, na minha opinião, estão-se a misturar.

Por um lado, concordo com o absurdo da renovação da prescrição de CRD pelos médicos de família de doentes que são acompanhados nas consultas hospitalares, supõe uma perda de tempo e incomodidades para médicos e doentes. Não entanto, percebo que esta possibilidade possa beneficiar alguns doentes que residam longe dos hospitais, evitando-lhes a deslocação apenas para a renovação do tratamento, mas poderia ter sido resolvido abrindo exceções sempre que o rácio de distância domicílio-hospital o justificasse e/ou permitindo que a PEM deixasse prescrever receitas por um ano.

Lamento que a tutela não se tenha lembrado de que existem doentes sem médico de família, eles também precisam de CRD e de receitas.

Em relação ao sistema de prescrição, todos sabemos que a PEM é pouco amigável e quanto nos tem torturado com os CRD, nomeadamente pela escassa ou nula formação e informação que os SPMS nos oferecem cada vez que fazem alterações nas suas funcionalidades. Tem sido frustrante para todos os médicos, também para os colegas hospitalares.

Caberá talvez à Ordem e ao Colégio da Especialidade exigirem mudanças em relação às nossas queixas.

Mas outro assunto bem distinto é o seguimento do doente com síndrome de apneia do sono pelo médico de família após alta hospitalar, que obviamente inclui a prescrição de ventiloterapia, o grosso dos CRD, mas que não consiste apenas em renovar as receitas!

Sendo a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS) uma doença com uma prevalência muito elevada, estimada no dobro da diabetes e ainda muito subdiagnosticada, o seu seguimento nos CSP corresponde à evolução natural de uma doença crónica que graças à evolução tecnológica e à cada vez maior capacitação dos médicos de família tem conseguido dar o salto desde os cuidados hospitalares.

O aumento do volume das referenciações às unidades do sono nos últimos anos tornou a falta de capacidade de admissão de novos doentes para estudo num problema, não só no nosso país, prolongando extraordinariamente as listas de espera. A simplificação dos protocolos terapêuticos propiciou que a solução passasse por manter o seguimento dos doentes estabilizados nos CSP, como qualquer outra doença crónica controlada.

Poderia comparar-se ao caso da diabetes há uns anos, quando os médicos de família não estavam familiarizados com a insulinoterapia mas tiveram de aprender a insulinizar, pois tornou-se insustentável a referenciação e o acompanhamento pelas unidades de diabetes de todos os doentes que precisavam de insulina.

O doente com SAOS estável, bem adaptado à CPAP, não tem qualquer dificuldade no seu seguimento nos moldes protocolados. Na minha opinião, não podemos demitir-nos de fazer o acompanhamento de uma doença crónica, que não consiste mais que em promover e verificar a adesão ao tratamento, conferir a sua eficácia e vigiar o aparecimento de possíveis efeitos adversos, para o qual contamos com o apoio das empresas de CRD, definido por contrato.

Os novos desafios que são lançados à Medicina nos dias de hoje obrigam-nos à atualização constante na área científica e tecnológica. Como médicos de família temos a responsabilidade de conhecer esta terapêutica e saber abordar aspetos simples como fazemos com outras, até bem mais complicadas, como a hipocoagulação, que ninguém questiona. Não podemos virar as costas a uma realidade que tem um volume de encargos para o SNS tão elevado – 10% da população portuguesa tem patologia potencialmente subsidiária de CRD.

Não seria justo ignorar o esforço do GRESP - Grupo de Doenças Respiratórias da APMGF - em estar presente e colaborar com o Programa Nacional de Doenças Respiratórias na elaboração da Orientação Técnica (OT) da DGS para o seguimento do doente com apneia do sono, ajudando na simplificação do processo de seguimento desde a perspetiva da MGF e do circuito de devolução dos doentes aos cuidados hospitalares em caso de desestabilização. Esperamos em breve a modificação definitiva da OT que permita a prescrição da ventiloterapia por um ano inteiro, contribuindo a aliviar o volume de trabalho. 

Lamentavelmente a necessária formação no seguimento da apneia do sono não terá sido realizada pela tutela de forma homogénea em todo o país, embora me constem os esforços que se têm feito no Algarve onde, infelizmente, alguns colegas têm-se recusado assistir.

No GRESP temos procurado estar presentes em todos os congressos e reuniões científicas onde nos tem sido solicitado dar formação, ao mesmo tempo que temos recolhido a informação das dificuldades sentidas no terreno e assim as temos transmitido, quer à DGS quer aos SPMS, para que o sistema possa ser melhorado.

Acreditamos na cooperação entre os diferentes níveis de cuidados para o bem do doente e a eficiência sustentável do SNS. Ainda há muito para melhorar e é por isso que devemos continuar a defender a posição da MGF como parceira na discussão, planificação e implementação dos processos de saúde sem deixar de assumir as nossas competências.

Por Dyna Torrado, UCSP Mar, Tavira. Coordenadora do GT de SAOS do GRESP





Comments
Post has no comments.

Post a Comment




Captcha Image