A não perder

Rastreio de abuso de drogas com 2 perguntas


MGFamiliar ® - Wednesday, March 16, 2016




Pergunta Clínica: É possível rastrear o abuso de drogas através da aplicação de um questionário com apenas duas perguntas?

Enquadramento: Os Cuidados de Saúde Primários podem ser o contexto ideal para a identificação de transtornos por consumo de drogas. Este é o primeiro passo para intervir precocemente, em equipa, no sentido de apoiar a cessação e promover hábitos saudáveis no utente e comunidade. No entanto, os testes de rastreio disponíveis mostraram-se desadequados para o uso em consulta. O objetivo do estudo foi desenvolver e validar um novo instrumento de rastreio para uso de drogas.

Desenho do estudo: Desenvolvimento e validação de um novo instrumento de rastreio após revisão dos instrumentos de rastreio existentes. O estudo teve lugar em dois centros de Cuidados de Saúde Primários para veteranos de guerra dos EUA, durante o período de 1 de fevereiro de 2012 a 30 de abril de 2014. De um total de 3173 doentes, foram incluídos, após consentimento informado e cumprimento dos critérios de elegibilidade, 1283 voluntários, sendo 95% do sexo masculino, com idade média de 62 anos. A amostra foi dividida aleatoriamente em duas, a primeira para desenvolver o instrumento e a segunda para o validar. O instrumento de rastreio era constituído por duas perguntas: "Exceto o álcool em quantos dias, nos últimos 12 meses, consumiu drogas?" (resposta positiva se 7 ou mais dias); e "Em quantos dias, nos últimos 12 meses, consumiu mais drogas do que queria?" (resposta positiva se 2 ou mais dias).

Resultados: Do total de 1283 doentes, 241 (18,8%) relataram uso de drogas ilícitas (ou medicamentos prescritos para uma finalidade não médica) nos últimos 12 meses, e 189 (14,7%) relataram uma ou mais consequências negativas do uso de drogas. 133 (10,4%) preenchiam os critérios do DSM-IV para um transtorno por consumo de drogas. O instrumento de rastreio foi, na primeira metade da amostra (643 pacientes), 100% sensível e 93,73% específico para transtorno por consumo de drogas; e 93,18% sensível e 96,03% específico para consequências negativas do uso de drogas. Quando replicado na segunda metade da amostra (640 pacientes), foi 92,31% sensível e 92,87% específico para transtorno por consumo de drogas; e 83,17% sensível e 96,85% específico para consequências negativas do uso de drogas.

Conclusão: Os excelentes resultados estatísticos obtidos provam a validade do novo instrumento de rastreio para o uso de drogas, e, sendo um instrumento de fácil e rápida aplicação, constitui uma mais-valia para a prática clínica diária nos centros de Cuidados de Saúde Primários para veteranos de guerra dos EUA

Comentário: O consumo de droga na realidade portuguesa constitui ainda um problema de saúde pública, e atinge todos os escalões sociais e etários. Sendo muitas vezes dissimulado ou não encarado como um problema de saúde pelos consumidores, nem sempre é possível prestar o apoio necessário para a educação e para a cessação. Na “luta diária contra o tempo” que se vive na prática clínica nos Cuidados de Saúde Primários, a aplicação de instrumentos de rastreio simples e rápidos, como o desenvolvido neste estudo original, é sem dúvida uma mais-valia. Resta saber se este instrumento será aplicável e válido para a nossa realidade e para a nossa população.

Artigo original:JAMA Intern Med

 Por Luís Paixão, UCSP Fernão Magalhães 




Comments
Post has no comments.

Post a Comment




Captcha Image


Recent Posts


Tags

 

Archive