Prescrição Racional

Meta-análise: terapêutica antivírica na paralisia de Bell


MGFamiliar ® - Wednesday, August 05, 2015


Pergunta clínica: Em doentes com paralisia de Bell, o tratamento com medicação antivírica é mais eficaz na recuperação completa?

Enquadramento: A paralisia de Bell (também designada de paralisia facial idiopática) é uma mononeuropatia do VII par craniano, aguda e idiopática, com uma incidência anual de 11-40/100.000 indivíduos. Em 70 % dos casos há regressão total do defeito motor mas nos restantes a recuperação é incompleta. Alguns autores referem que a etiologia pode estar relacionada com uma reactivação dos vírus Herpes simples e Herpes zóster.

Desenho do estudo: Revisão sistemática e meta-análise de estudos publicados e não publicados até Novembro de 2014. Foram incluídos todos os ensaios que compararam a utilização de terapêutica antivírica com placebo, ausência de antivíricos e/ou corticosteróides, em doentes com paralisia de Bell. O objectivo primário foi a recuperação completa e o secundário a recuperação parcial/satisfatória da paralisia facial. Foi criado um subgrupo para avaliar a heterogeneidade estatística, partindo do pressuposto que a eficácia antivírica seria superior nos doentes com sintomas severos.

Resultados: Foram incluídos 10 ensaios clínicos controlados e aleatorizados, com um total de 2419 doentes, 807 dos quais apresentavam paralisia facial severa. Em 8 estudos, foi utilizada corticoterapia concomitantemente. Os antivíricos utilizados foram o Aciclovir (4), Famciclovir (3) e Valaciclovir (3). Em 6 ensaios, não se verificou diferença estatisticamente significativa na recuperação completa com a utilização de medicação antivírica. No entanto, 9 estudos demonstraram diferença significativa na recuperação parcial. Não se registaram alterações relevantes entre o subgrupo de doentes com paralisia severa e moderada.

Conclusão: Concluiu-se que os agentes antivíricos não são eficazes na resolução completa da paralisia de Bell, independentemente da sua gravidade. No entanto, parecem ter um efeito positivo na recuperação parcial da doença.

Comentário: O papel dos agentes antivíricos permanece controverso, sendo necessários mais estudos para verificar até que ponto a sua utilização será clinicamente benéfica. Portanto o tratamento actual da paralisia facial idiopática deve incluir: protecção da córnea do olho no lado afectado, corticóides, analgésicos e anti-inflamatórios e fisioterapia.

Artigo original: Am J Med

Por Pedro Pereira, USF Vale do Vez 




Comments
Post has no comments.

Post a Comment




Captcha Image


Recent Posts


Tags

 

Archive