Editorialblog

Boas notícias: Revista ADSO & RPMGF

Carlos Martins - Saturday, June 29, 2013


 

 

Hoje temos boas notícias! :)

As revistas médicas são um meio importante de divulgação do trabalho científico e do conhecimento que vai sendo desenvolvido pelos profissionais de saúde. É um sinal claro de vitalidade e de qualidade da especialidade de Medicina Geral e Familiar (MGF) portuguesa as duas boas notícias que vos trago:

1. Temos uma revista médica nova na área da  MGF em Portugal: a Revista ADSO, desenvolvida pela Associação de Docentes e Orientadores de Medicina Geral e Familiar.  Esta nova revista está disponível online. Podem ver aqui...

2. A Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar acaba de lançar o seu novo site. Um site que permite a pesquisa de artigos por nome de autor, pelo título, pelo número de revista e outras funcionalidades. Parabéns a toda a equipa editorial da RPMGF. Podem ver aqui...

Prémio Miller Guerra para o Dr. Mário Moura

Carlos Martins - Friday, June 14, 2013

É com muita honra e alegria que vemos a primeira edição do Prémio Miller Guerra ser entregue com inteira justiça a um colega Médico de Família, o Dr. Mário Moura. Este prémio, instituído pela Ordem dos Médicos e pela Fundação Merck Sharp Dohme, visa distinguir a dimensão humanista da medicina em Portugal.

 

 

 

Dr. Mário Moura,

obrigado pelo seu empenho, por tudo o que nos ensina e por tudo o que fez pela Medicina em Portugal.

 

Artigo do site da Ordem dos Médicos

Portugal ao espelho

Carlos Martins - Sunday, March 31, 2013

Era uma vez uma casa onde vivia um reformado, uma médica, uma professora, um juiz, um militar, um banqueiro e um padre. Viveram alegres e contentes durante algum tempo... Cada um trabalhava na sua área, excepto o reformado pois havia chegado a altura de gozar um pouco a vida para compensar os anos de trabalho já vividos. Tinham bons vizinhos, todos prosperavam... Não olhavam para trás quando queriam comprar uma casa maior, outra no campo e outra na praia. Os vizinhos emprestavam-lhes dinheiro. Foram pedindo tanto dinheiro emprestado até que chegou o momento em que já não conseguiam pagar as dívidas.

Reuniram-se todos.

Era necessário que todos se sacrificassem um pouco para conseguirem pagar as dívidas de todos. O reformado recusou logo participar nos sacrifícios, pois tinha contribuído durante longos anos para agora poder gozar a vida. A médica ameaçou logo que assim não teria forma de garantir a qualidade dos cuidados de saúde dos outros membros da casa. A professora recusou colaborar alegando não ter condições para tal. O juiz ficou calado, prometeu pensar sobre o assunto e foi adiando a resposta... O banqueiro ameaçou com a bancarrota de todos. O padre falou dos mais necessitados, irritou-se com o banqueiro e aliou-se ao militar ajudando a inflamá-lo. O militar recusou sacrificar-se pois assim não teria condições para garantir a defesa de todos os membros da casa.

E a casa, no seu conjunto, continuou a gastar mais dinheiro do que tinha. A despesa continuou a ser superior ao rendimento.

E as discussões prolongaram-se por muito tempo...

No final, o reformado, a médica, a professora, o juiz e o banqueiro morreram à fome, mas alguns fugiram da casa a tempo. O militar ficou sem ninguém para defender e morreu à fome. O padre ficou sem almas para salvar e sem saber o que devia ter feito para se salvar a si próprio, também faminto se finou....

Os vizinhos venderam a casa e repartiram entre si o resultado da venda.

 

Post scriptum

O que eu gostaria que a sociedade portuguesa e os políticos fizessem? Que todos compreendessem a urgente necessidade de um diálogo construtivo de forma a tornar a nossa casa governável.


Recent Posts


Tags

 

Archive