MaisOpinião - Hélder Teixeira

#COVID19Portugal Dia 02/04


MGFamiliar ® - Thursday, April 02, 2020



#COVID19Portugal atualização 02/04/2020, 29º Dia COVID-19 em Portugal (18º após 100º caso).

Continuamos na luta. O nosso país está mais unido que nunca! Quando tantas vezes só identificamos os aspetos menos positivos da nossa cultura, temos também de reconhecer as nossas qualidades. Não somos nós, o nosso país está a ser elogiado lá fora (https://visao.sapo.pt/…/2020-04-01-covid-19-os-elogios-a-p…/), desde a imprensa americana à Francesa, passando também pelo próprio embaixador britânico que destaca a bondade, generosidade, cordialidade e alegria dos portugueses “São diferentes de tudo que experimentei em qualquer outro lugar”, assumindo que essas qualidades são as que “permitirão a Portugal vencer a batalha contra esse vírus”.

Analisemos os gráficos.

A nossa curva de novos casos a partir dos 100 casos subiu um pouco desde a última análise (já era previsível dado que estamos a aplicar muitos mais testes) mas parece estar a ter tendência de aplanar e de cruzar a própria curva dos Países Baixos, o país que tem uma evolução mais contida dentro dos países europeus ali representados Isto é um dado POSITIVO, significa que estamos a demorar mais tempo que os Países Baixos a incrementar o número de casos.

O número de novos casos continua abaixo dos 1000 novos casos/dia o que é BOM. Para já continuamos sem evidência de um pico de novos casos. Hoje acrescento um gráfico que representa a evolução da % diária de novos casos (GRÁFICO 2) e como verificamos mantemos a redução gradual da % de novos casos (o meu amigo Hugo Pinto já vinha a publicar há uns dias). Isto é muito positivo, sobretudo se tivermos em conta que a percentagem de testes por milhão de habitante é das melhores a nível europeu. Esta tendência é ótima e permite ter esperança.

Outro dado positivo, a curva de mortalidade (GRÁFICO 3), a partir do Excel do André Rodrigues, mantém-se surpreendentemente estável, bastante mais baixa que todos os países europeus, tirando Alemanha e países nórdicos. Gostaria que assim se mantivesse. Sugere que: não estamos a falhar assim tanto na deteção dos novos casos e, por outro lado, o nosso sistema de saúde continua, neste momento, a conseguir dar resposta!

Hoje também acrescento, a pedido de muitos, o gráfico do número de novos casos por 100.000 habitantes (a partir do Excel do André Rodrigues) - GRÁFICO 4. Não tenho colocado até agora porquê?

A velocidade ou ritmo de evolução da epidemia obedece às mesmas regras em todo o lado e não tem em consideração a população total de um país: se colocarmos 1 pessoa infetada com perfil semelhante em todos os países do mundo e se nada se fizer, ao fim de 100 dias em média o número de casos será semelhante entre todos. Claro que não será exatamente igual porque haverá outros fatores em conta: a densidade populacional, a cultura de socialização do país, o número de eventos em massa, a temperatura, etc. Os países com mais população naturalmente são beneficiados nesta análise, partindo sempre de um número de casos por milhão de habitantes menor e por isso ficam à direita no gráfico. É o que verificamos com os EUA por exemplo, um país com mais de 320 milhões de habitantes, precisa de muito mais tempo para que a epidemia cause um impacto per capita tão grande como no Luxemburgo, na Áustria ou Portugal, por muito pior controlo que tenham da epidemia que os países mais pequenos. Por isso quando consideramos que estamos a ser justos em comparar per capita, e efetivamente o é na grande maioria das avaliações que possamos fazer (rendimento, mortalidade, etc.), nesta análise em específico, de avaliação da velocidade de propagação epidémica, não o é tanto.

Ainda assim, é possível complementar a análise, concordo convosco. Se compararmos Portugal com a Áustria, Noruega e Países Baixos, países com populações totais mais comparáveis com Portugal, verificamos que Portugal:
• Não está assim tão longe do ritmo de evolução da Noruega, um país do grupo 1 (ainda assim temos que considerar que eles têm uma população de quase metade da Portuguesa).
• Estamos bem melhor que a Áustria!
• Começamos naturalmente pior que os Países Baixos (porque têm 1,7x mais população, os mesmos 100 casos dão um pior resultado em Portugal que os Países Baixos) mas conseguimos estabilizar a um ritmo de evolução de casos por 100.000 habitantes semelhante.

Dêem também uma olhada aos gráficos que caracterizam e analisam a evolução dos óbitos, doentes internados e internados em UCI do Edgar Mesquita. Os dados aqui também são felizmente estáveis, o que também, neste momento é um bom sinal!

Apesar de todos estes dados positivos, também não posso mentir. Vamos provavelmente ter que fazer este sacrifício por vários meses! Possivelmente não sob estas condições tão restritas sempre, vamos continuando a seguir o que as autoridades nacionais nos recomendam de acordo com a avaliação a cada semana. E todo este percurso pode ser comprometido se deixarmos de cumprir a nossa missão. A minha missão como profissional de saúde é trabalhar, trabalhar, trabalhar. A missão de muitas pessoas pode ser simplesmente ficar em casa. Também É DURO! Não deixa de ser também uma missão nobre na mesma. A missão de uns pode ser inviabilizada pelo não cumprimento da missão dos outros! A todos os que ficam em casa, acreditem, também estão a salvar vidas! Bem sei que é um enorme sacrifício para muitos, e a saúde mental é colocada à prova. Peço-vos para resistirem!! Também não vou desistir da minha missão!

Vamos continuar a fazer de PORTUGAL um EXEMPLO! Fiquem em casa. Protejam-se! Salvem vidas!!




Comments
Post has no comments.

Post a Comment




Captcha Image