MaisOpinião +

Os vegetais e o animal homem


MGFamiliar ® - Sunday, January 17, 2016




Numa consulta de uma qualquer unidade de saúde, uma mãe questiona, muito preocupada, sobre a sua legitimidade de a própria propor uma dieta vegetariana à sua filha de 6 anos. Após uma pausa, a mãe explica a sua preocupação e o seu modo exaltado de abordagem da questão. Numa consulta anterior, um profissional de saúde havia classificado como negligente a sua intensão de adoptar o vegetarianismo para a sua filha, tendo referido que poderia colocar em causa o saudável crescimento da criança.

Uma das mudanças comportamentais importantes na nossa espécie foi a transição para um padrão alimentar omnívoro na pré-História, tal como referiu o zoólogo Desmond Morris(1), com repercussões sociais e evolutivas. Por outro lado, pelo menos desde a Antiguidade Clássica que há referências a adopção e valorização de um padrão alimentar vegetariano, por autores como Platão, abrangendo este estilo de vida uma dimensão filosófica. Mais recentemente, Albert Einstein (1930) referiu identificar-se com o vegetarianismo, por razões morais, bem como pela crença que este estilo de vida iria beneficiar o futuro da humanidade(2). Nos últimos anos têm surgido documentários em defesa dos animais, que favorecem o vegetarianismo (“Sea the Truth” de 2010, realizado por Claudine Everaert e Gertjan Zwanikken). A Vegetarian Society (fundada em 1847, Reino Unido) argumenta que este tipo de alimentação: é saudável, reduz a pegada ecológica e é mais sustentável, favorece os direitos dos animais. No século XX deu-se um importante movimento no Porto a favor do vegetarianismo liderado por Ângelo Jorge, autor da obra Irmânia (1912), em que uma vez mais o vegetarianismo ultrapassaria a sua restrita concepção de padrão de alimentação. Ante esta realidade e conhecidas algumas das motivações para a adopção este padrão alimentar, é pertinente reflectir sobre os mitos e os factos no que se refere a este padrão de alimentação.

O conceito de dieta vegetaria (baseada em alimentos vegetais) é demasiado amplo, sendo pertinente compreender se inclui na dieta alguns alimentos de origem animal como ovo, o leite e seus derivados, ou o mel. O conhecimento das variantes do vegetarianismo (lacto-ovo-vegetariana, vegana, frutarianista, etc.) tem implicações práticas nas considerações a fazer sobre as implicações do estilo de vida, nomeadamente dos potenciais défices nutritivos.

A Direção-Geral da Saúde publicou em 2015 as Linhas de Orientação para uma Alimentação Vegetariana Saudável, em que alertava para os riscos de défice: vitamina B12, iodo, ácidos ómega 3. Uma dieta vegetariana criteriosa permite assegurar os níveis proteicos adequados, bem como de ferro e de zinco (note-se, todavia, que são absorvidos em menor proporção se tiverem origem vegetal). Nas dietas vegetarianas que não incluem a ingestão de leite nem de derivados a escolha de alimentos deverá ser mais cuidada, tendo em vista o aporte adequado de cálcio. Suplementos alimentares, ou alimentos fortificados (soja, quinoa, amaranto, etc.), poderão facilmente equilibrar os potenciais défices. O risco de défice de vitamina D nos meses frios verifica-se neste padrão de alimentação tal como no padrão alimentar não-vegetariano.

O mesmo manual da Direção-Geral da Saúde menciona ainda ao potencial benefício deste tipo de dieta na prevenção primária nos factores de risco e na doença e cardiovascular, assim como na oncológica. Acrescentando que, quando bem planeada (incluindo, mediante o tipo de dieta em concreto, alimentos fortificados e/ou suplementos alimentares), esta pode ser adequada a todas as fases do ciclo de vida, incluindo a infância, a adolescência, a gravidez, a lactação, os idosos, bem como os desportistas.

Considerando novamente a referida consulta, estaria a mãe, ante a actual evidência científica, ilibada do crime de negligência? Certamente que faltariam muitos mais dados para uma adequada resposta, e juízos de moral ou julgamentos não são da competência médica. Ocorreu neste caso, com grande probabilidade, um erro de comunicação. De facto, a dieta vegetariana pode predispor a alguns importantes défices nutricionais, que, no entanto, podem ser equilibrados com um planeamento adequado da dieta, ou com a prescrição de suplementos alimentares. Uma refeição vegetariana não é uma “refeição tradicional” sem carne, talvez o possa ser em alguns locais por desconhecimento, não obstante esta pressupõe uma alternativa nutricionalmente completa e saborosa. Importa ainda relevar que este padrão alimentar pode ter implicações mais amplas (estilos de vida e crenças), pelo que evocar ideias preconcebidas e genéricas de vegetarianismo pode ser um foco adicional de desentendimento.

O documento da Direção-Geral da Saúde anteriormente referido alude para o aumento da frequência de adopção deste padrão alimentar. Independentemente desta realidade ser uma opção, uma moda, ou a evolução da espécie, cabe aos profissionais de saúde actualizarem o seu saber neste domínio, de modo a que se potencie a comunicação e a relação terapêutica com utentes vegetarianos, bem como prevaleça a promoção da saúde. Talvez, ao conhecimento teórico, pudesse ser interessante o conhecimento prático, com a degustação de algumas iguarias disponíveis, em restaurantes genéricos, ou orientados para o vegetarianismo.

 1. Morris D, O macaco nu, Publicações Europa-América, 3ª Edição 2007 (primeira publicação 1967)

 2. Albert Einstein (1878-1955), carta a Harmann Huth, 27 de Dezembro de 1930 (in Alice Calaprice (ed.), “The New Quotable Einstein”, Princeton, 2005, p. 281

Por Carlos Franclim, médico, USF S. João Porto








Comments
Post has no comments.

Post a Comment




Captcha Image


Recent Posts


Tags

 

Archive