A não perder

Atividade física reduz risco de depressão


MGFamiliar ® - Saturday, December 29, 2018




Pergunta clínica: A prática de atividade física está associada a um menor risco de desenvolvimento de depressão?

Enquadramento: As perturbações depressivas constituem a segunda causa de carga global de morbilidade, contribuindo também para um aumento dos custos associados à saúde e mortalidade prematura. Devido ao impacto desta patologia, é fundamental a identificação de estratégias que possam reduzir a sua incidência. Um fator de risco potencialmente modificável para o desenvolvimento de depressão é o baixo nível de atividade física.

Desenho do estudo: Revisão sistemática com meta-análise de estudos de coorte prospetivos com o objetivo de avaliar o papel da atividade física na redução do risco de incidência de depressão. Foram selecionados estudos com pelo menos um ano de seguimento que incluíam participantes de todas as idades que inicialmente não apresentavam diagnóstico de depressão ou sintomas depressivos, sendo avaliado o seu nível de atividade física através de um questionário de auto-avaliação; o outcome definia-se como o aparecimento de sintomas depressivos ou diagnóstico de depressão ao fim de um determinado tempo de seguimento.

Resultados: Foram incluídos 49 estudos (n=266.939, 47% de participantes do género masculino) com tempo de seguimento médio de 7.4 anos, sendo a avaliação da qualidade média dos estudos incluídos moderada a alta. Verificou-se que os participantes com maiores níveis de atividade física (>150 minutos semanais de atividade moderada a intensa) apresentaram menor probabilidade de incidência de depressão comparativamente aos que apresentavam níveis mais baixos de atividade física (OR=0.83; 95% CI=0.79,0.88; p<0.001). Este efeito protetor foi verificado em todas as regiões geográficas (Ásia, Europa, América do Norte e Oceânia) e idades (subgrupos de <18 anos, 18-65 anos e >65 anos). Foram considerados vários potenciais confundidores como idade, género, IMC, tabagismo e sintomas sub-depressivos basais, sem alteração significativa dos resultados. Foram ainda avaliados alguns fatores variáveis nos diferentes estudos como tamanho da amostra, ano de publicação, tempo de seguimento, número de pessoas-ano, percentagem de indivíduos do género masculino, número de co-variáveis incluídas e qualidade do estudo, sendo que nenhum destes parâmetros demonstrou um impacto significativo na associação entre a prática de exercício físico e a redução da incidência de depressão.

Comentário: A depressão é uma patologia muito frequente e com um elevado impacto na qualidade de vida. Este estudo aponta para a possibilidade da sua prevenção, nomeadamente através da promoção da prática de atividade física. Estudos posteriores poderão ser desenvolvidos de forma a perceber se o exercício físico apresenta igualmente um efeito protetor em doentes com risco basal aumentado de depressão.

Artigo original: Am J Psychiatry

Por Ana Pinho, UCSP Chaves IB



Comments
Post has no comments.

Post a Comment




Captcha Image


Recent Posts


Tags

 

Archive