A não perder

Exposição ao chumbo na infância: que consequências?


MGFamiliar ® - Monday, January 22, 2018



Pergunta clínica: Poderá a exposição ao chumbo na infância estar relacionada com diminuição da função cognitiva e menor nível socioeconómico na vida adulta?

Enquadramento: O chumbo é considerado uma neurotoxina e, apesar de bem estabelecida a ligação entre exposição ao chumbo e défices cognitivos na infância, poucos estudos procuram avaliar a associação direta entre a exposição a esse metal e o seu impacto na função cognitiva do adulto.

Desenho do estudo: Estudo de coorte, prospetivo, realizado na Nova Zelândia, com uma base populacional representativa dos indivíduos nascidos entre 1972-73 e que foram seguidos até aos 38 anos. O nível sérico de chumbo foi avaliado em cada criança aos 11 anos de idade. A função cognitiva no adulto foi avaliada de acordo com a Escala de QI (varia de 40-160) e o estatuto socioeconómico segundo o “New Zealand Socioeconomic Index” (NZSI) – 2006 (varia de 10-90). Os resultados foram avaliados usando modelos ajustados ao nível sérico de chumbo na infância, sexo, QI na infância, QI materno e estatuto socioeconómico na infância. Dos 1037 participantes iniciais, 1007 encontravam-se vivos aos 38 anos e desses, 565 (56%) tinham sido avaliados aos 11 anos de idade.

Resultados: Os níveis séricos de chumbo variavam entre os 4-31 µg/dL (média de 10,99 µg/dL). A média de QI na vida adulta foi de 101,16 (desvio-padrão: 14,82) e a média de NZSI foi de 49.75 (desvio-padrão: 17,12). Após ajuste para potenciais confundidores, cada aumento de 5µg/dL do nível sérico de chumbo na infância foi associado a menos 1.61 pontos (IC-95%: -2.48, -0.74) no QI do adulto e a menos 1,79 pontos (IC-95%: -3.17, -0.40) no índice do estatuto socioeconómico. Observou-se uma associação entre a exposição a níveis séricos de chumbo elevados na infância e um QI e do estatuto socioeconómico inferiores na vida adulta.

Comentários: O chumbo é uma neurotoxina crónica, ou seja, com efeitos reais a longo prazo, não sendo muitos vezes identificados sintomas ou sinais numa exposição aguda. Apesar dos resultados obtidos, este estudo não estabelece uma relação causal entre a exposição ao chumbo e os outcomes avaliados na idade adulta. Contudo, estes resultados são relevantes não só ao nível da prática clínica, mas também numa perspetiva de medidas a adoptar na comunidade no âmbito da Saúde Pública. Estes resultados confirmam a relevância para a saúde de todos nós e dos nossos descendentes da imposição da produção de combustíveis sem chumbo à indústria petrolífera. E nesta, como noutras batalhas, a comunidade médica tem motivos para se orgulhar.

Artigo original: JAMA

Por Célia Maia, USF Ponte Velha



Comments
Post has no comments.

Post a Comment




Captcha Image


Recent Posts


Tags

 

Archive