A não perder

Testar para tranquilizar?


MGFamiliar ® - Sunday, March 30, 2014

 

Pergunta clínica: qual o efeito dos testes de diagnóstico em doentes sem sintomas de doença grava (baixa probabilidade pré-teste - testes efectuados apenas para tranquilização dos doentes) na ansiedade, na persistência dos sintomas e na posterior utilização de recursos de saúde?

Desenho do estudo: Revisão sistemática e meta-análise de ensaios clínicos randomizados. 

Resultados: Preencheram os critérios de inclusão 14 ensaios clínicos aleatorizados e controlados (ECAC) que incluíram 3828 pacientes. A maioria dos estudos avaliou a eficácia da endoscopia e radiologia para a dispepsia; imagiologia na lombalgia, eletrocardiograma e estudo analítico para a precordialgia; a ressonância magnética no caso de cefaleias crónicas, entre outros. Três dos estudos não evidenciaram qualquer impacto dos testes de diagnóstico na preocupação com a doença e dois deles não mostraram nenhum efeito sobre a ansiedade. Onze estudos não mostraram qualquer efeito global a longo prazo sobre a persistência dos sintomas (ie, "teste terapêutico"). Havia heterogeneidade significativa entre alguns dos estudos. Uma meta-análise mostrou uma pequena redução nos atendimentos em ambulatório (odds ratio = 0,77, IC, 95% 0,62 - 0,96). Na prática, este efeito traduz-se em uma visita a menos para cada 16 pacientes com dispepsia e uma visita a menos para cada 26 pacientes com lombalgia.

Comentário: Segundo este artigo, os testes de diagnóstico não tranquilizam os doentes com baixa probabilidade de doença grave, além de não diminuírem os seus sintomas crónicos. Este é mais um dado que reforça a importância da prevenção quaternária, não só na gestão dos parcos recursos que temos à nossa disposição, mas principalmente na gestão das “angústias” dos utentes que recorrem aos serviços de saúde.


Artigo original

 Por Ricardo Rocha, UCSP Moimenta da Beira


Comments
Post has no comments.

Post a Comment




Captcha Image


Recent Posts


Tags

 

Archive