Prescrição Racional

Ácido acetilsalicílico em prevenção primária

MGFamiliar ® - Sunday, December 09, 2018



Pergunta clínica: Na prevenção primária de eventos cardiovasculares em pessoas com risco cardiovascular moderado, será o ácido acetilsalicílico eficaz?

População: Doentes com risco cardiovascular moderado

Intervenção: Terapêutica com 100mg de ácido acetilsalicílico

Comparação: Placebo

Outcome: Tempo decorrido até à ocorrência de evento cardiovascular ou morte

Desenho do estudo: Estudo multicêntrico, randomizado, duplamente cego, controlado por placebo, realizado em sete países. Critérios de inclusão: idade ≥55 anos no sexo masculino ou ≥60 anos no sexo feminino e risco cardiovascular moderado. Foram excluídos os doentes com alto risco hemorrágico (gastrointestinal ou outro) ou com de diabetes. Os participantes foram distribuídos aleatoriamente por dois grupos: um grupo recebeu ácido acetilsalicílico (100 mg) e o outro grupo recebeu placebo. O marcador primário de eficácia foi a avaliação do tempo decorrido até à primeira ocorrência de morte cardiovascular, enfarte do miocárdio, angina instável, acidente vascular cerebral ou acidente isquémico transitório. A segurança foi avaliada através da ocorrência de eventos hemorrágicos ou de outros eventos adversos.

Resultados: Entre 2007 e 2016, foram incluídos 12546 doentes: grupo com ácido acetilsalicílico (n=6270) e grupo com placebo (n=6276). O seguimento médio foi de 60 meses. Na análise de intenção de tratar, o marcador primário ocorreu em 269 doentes (4,29%) no grupo ácido acetilsalicílico versus 281 (4,48%) no grupo placebo (razão de risco 0,66; IC 95 % 0,81-1,13; p=0,6238). Nenhum subgrupo (de acordo com sexo, idade, tabagismo, índice de massa corporal [IMC] ou risco calculado a 10 anos) teve benefício claro com o ácido acetilsalicílico. Eventos hemorrágicos gastrointestinais (principalmente ligeiros) ocorreram em 61 doentes (0,97%) com ácido acetilsalicílico versus 29 (0,4%) no grupo placebo (razão de risco 2,11; IC 95% 1,36-3,18; p =0,0007). A taxa de incidência global de eventos adversos graves foi semelhante (n=1266 [20,19%] no grupo ácido acetilsalicílico vs n=1311 [20,89%] no grupo placebo). A incidência geral de eventos adversos relacionados ao tratamento foi baixa (n=1050 [16%] vs n=850 [13,54%] no grupo placebo, p <0,0001). Foram documentados 321 óbitos no grupo com ácido acetilsalicílico (n=160 [2,55%] vs n=161 [2,57%] de 6276 doentes no grupo placebo).

Comentário: Este é mais um estudo que vem reforçar a ideia de que o uso de ácido acetilsalicílico em contexto de prevenção primária não traz benefício, podendo trazer algum dano. A dose baixa de ácido acetilsalicílico (100 mg) também não mostrou benefício significativo no subgrupo dos doentes obesos. 

Artigo original: The Lancet

Por Ana Sofia Fontes, USF Uma Ponte para a Saúde  



Prevenção primária com estatinas em idosos: que evidência?

MGFamiliar ® - Sunday, December 02, 2018





Pergunta clínica: Em pessoas idosas ≥ 75 anos sem história de doença cardiovascular, o tratamento com estatina está associado a menos eventos cardiovasculares e a uma menor mortalidade?

Desenho do estudo: Estudo de coorte, retrospetivo. Base de dados dos Cuidados de Saúde Primários da Catalunha (2006-2015). Foram selecionados 46864 pacientes com 75 ou mais anos de idade sem evidência clínica de doença aterosclerótica cardiovascular. Os participantes foram de seguida estratificados de acordo com a presença ou ausência de diagnóstico de diabetes tipo II e tratamento ou não com estatinas. Endpoint primário: avaliar a incidência de eventos cardiovasculares e a mortalidade por todas as causas nos diferentes grupos faixas etárias.

Resultados: Nos pacientes sem diabetes, quando considerada a faixa etária dos 75-84 anos, verificou-se que o hazard ratio associado ao uso de estatinas foi de 0.94 (IC 95% 0.86-1.04) para os eventos cardiovasculares e 0.98 (IC 95% 0.91-1.05) para a mortalidade por todas as causas, enquanto nos idosos ≥ 85 anos foi de 0.93 (IC 95% 0.82-1.06) e 0.97 (IC 95% 0.90-1.05), respetivamente. Nos indivíduos com diabetes o hazard ratio associado ao uso de estatina foi de 0.76 (IC 95% 0.65-0.89) para os eventos cardiovasculares e 0.84 (IC 95% 0.75-0.94) para a mortalidade por todas as causas nos indivíduos entre os 75 e os 84 anos de idade, e 0.82 (IC 95% 0.53-1.26) e 1.05 (IC 95% 0.86-1.28) nos indivíduos ≥ 85 anos.

Conclusão: Em idosos com idade superior ou igual a 75 anos sem diabetes tipo II, o uso de estatinas, como prevenção primária, não esteve associado a uma redução de eventos cardiovasculares e mortalidade por todas as causas. Nos indivíduos diabéticos com idade entre os 75 e os 84 anos de idade, a medicação com estatinas reduziu a incidência de eventos cardiovasculares (~24%) e mortalidade por todas as causas (~16%).  Nestes pacientes, a mortalidade por todas as causas diminuiu em média 5,6 anos, com uma pessoa adicional viva por cada 16 pessoas tratadas com uma estatina (número necessário para tratar [NNT] = 15,63; 9,5 - 49,6). Este efeito diminui após os 85 anos de idade e desaparece nos nonagenários.

Comentário: Este estudo é muito pertinente, sobretudo tendo em conta que a maioria dos ensaios clínicos exclui os doentes frágeis e em particular os doentes idosos. Estes resultados reforçam a importância da prescrição racional no âmbito da prevenção quaternária. Portanto, em idosos com idade ≥ 75 anos sem diabetes e sem doença cardiovascular recomenda-se prudência antes da decisão de prescrever estatinas.

Artigo original: BMJ

Por Filipe Cabral, USF Marco






Recent Posts


Tags

 

Archive