Livros

"A Catedral do Mar"

MGFamiliar ® - Monday, August 06, 2018




Livro: "A Catedral do Mar" de Ildefonso Falcones


Desta vez, eu não necessitava de vir a Barcelona. Durante alguns anos, tive que vir a Barcelona para reuniões anuais de trabalho. Passou por aqui o início da minha colaboração com o EUROPREV. Eram reuniões intensas. Muitas vezes, só sobrava a tarde de sábado para conhecer um pouco da cidade.
Mais tarde, senti a necessidade de trazer a família a esta singular cidade para lhes revelar as maravilhas de Gaudí.
Mas, desta vez, não. Desta vez, fiz um desvio e vim a esta cidade por causa de um livro.
Por causa deste livro: A Catedral do Mar, escrito por Ildefonso Falcones.



Foto 1: Bastaix, os carregadores da pedra (porta de entrada da Catedral)


 
Foto 2: A nave da Catedral


Este é um daqueles livros pelo qual nos apaixonamos logo nas primeiras páginas. Ildefonso Falcones surpreende-nos com uma narrativa fascinante que decorre na cidade de Barcelona em plena Idade Média. A sua leitura permite-nos mergulhar no modo de vida da época. Permite-nos compreender o modo de funcionamento daquela sociedade. Havia leis, deveres e direitos muito diferentes dos que hoje conhecemos. E até isso este livro consegue. Fala-nos de um passado que parece longínquo, mas consegue colocar-nos a refletir sobre o presente e o futuro, o nosso futuro!

As justiças e as injustiças, a bondade e maldade, o trabalho, o querer, tudo isto misturado com a construção de uma catedral, a Catedral de Santa Maria del Mar. E depois, ainda temos a descrição das ruas, das praças, da cidade e da luz do Mediterrâneo. Foi por isso que quis cá vir. Já “audio-li” este livro três vezes e não resisti mais. Quis ver com os meus olhos aquela igreja construída com as rochas que eram trazidas da pedreira real de Montjuic às costas dos Bastaixos (e isto é baseado em fatos verídicos). Quis ver com os meus olhos e caminhar pelas ruas onde Arnau Estanyol e o seu amigo Joanet corriam e brincavam. Quis ver aquela esquina da Rua Canvis Vells com a Rua Canvis nous onde Arnau teve o seu estabelecimento de câmbios. E a rua de Montcada, a rua dos ricos e dos palacetes da época, e a “Plaça del Blat” onde tanta coisa aconteceu, o bairro judeu e a Plaça del Rey.

E quis ver se ela sorria... Sorriu, Arnau.

PS.: Obrigado, Ildefonso Falcones, muito obrigado! Vim a Barcelona pelo livro que escreveste.



Foto 3: Uma catedral larga iluminada pela luz do Mediterrâneo

 
Foto 4: A nave da Catedral

 

Foto 5: Palácio da rua Montcada, rua de palacetes de famílias nobres na Barcelona medieval



Por Carlos Martins





"Poesia"

MGFamiliar ® - Sunday, October 15, 2017




Livro: “Poesia” de Alberto Caeiro


Sinopse 
Esta edição apresenta Alberto Caeiro e a sua obra. Todos os seus poemas, a sua prosa, uma entrevista que terá dado em 1914 e, por fim, reflexões e interpretações sobre o valor da sua existência. Na nota prévia, explica-se a dificuldade que existe quando se pretende manter a fiel mensagem de uma obra que “está longe de ser uma obra acabada e estável”.   

Reflexão pessoal
A simplicidade e a espontaneidade são apaixonantes em Caeiro… 
A existência e o valor das coisas resumem-se, e curiosamente transcendem-se, nas sensações que despertam. Rejeita o pensar, a filosofia e tudo aquilo que vai para além do que os sentidos podem sentir. 
Não é possível falar de Caeiro sem referir o cativante “Guardador de rebanhos”. O seu enamoramento pela natureza, pelas sensações, pela liberdade de se ser apenas porque se existe,… é maravilhoso.

“ […]
Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver do universo…
Por isso a minha aldeia é tão grande como outra terra qualquer,
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura…
[…]
E os meus pensamentos são todos sensações.
Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as mãos e os pés
E com o nariz e a boca.
Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido.
Por isso quando num dia de calor
Me sinto triste de gozá-lo tanto,
E me deito ao comprido na erva,
E fecho os olhos quentes,
Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,
Sei a verdade e sou feliz.
[…]”


Por Rosália Páscoa






“Comer, Orar, Amar”

MGFamiliar ® - Tuesday, August 29, 2017


Imagem: wook.pt


Livro: Comer, Orar, Amar de Elizabeth Gilbert

Sinopse
No início da sua terceira década de vida, Elizabeth Gilbert tinha tudo o que uma mulher Americana deveria querer – um marido, uma casa no campo e uma carreira de sucesso – mas, em vez de se sentir feliz e completa, era consumida pelo pânico e pela confusão.

Este livro retrata a história em como a autora deixou para trás todas estas aquisições de sucesso, e partiu para explorar três diferentes vertentes do seu ser, através de três culturas distintas: prazer em Itália, devoção na Índia e, na ilha Indonésia de Bali, um equilíbrio entre divertimento e transcendência divina.

Apontamento pessoal
O livro de Elizabeth Gilbert incita-nos a procurar a melhor versão de nós mesmos. Transmite o exato oposto daquilo que a sociedade dita, dos costumes, das ditas “obrigações” como, por exemplo, ter um emprego de sucesso, dinheiro, marido ou mulher, filhos, etc. É, portanto, um livro libertador, que incentiva o leitor a questionar estas “normas” e qual o verdadeiro significado da palavra “felicidade”. Nos dias de hoje, em que a pressão relativamente ao “sucesso” vai aumentando, ter a coragem para abrandar e apreciar o que a vida nos pode dar, também como perceber que o tempo é um bem precioso, não é de todo uma tarefa fácil. A leitura desta obra pode ajudar nesse sentido.

Uma sugestão de leitura de Joana Seabra, USF Porto Douro




"As Terças com Morrie"

MGFamiliar ® - Thursday, July 20, 2017




Livro: As Terças com Morrie de Mitch Albom

O diálogo, durante 14 Terças-feiras, entre um velho professor que morre e um seu antigo aluno proporciona-nos a todos uma última e comovente lição sobre as coisas mais simples e mais importantes da vida – e da morte.

Este livro faz-nos apaixonar pela forma de viver e morrer de Morrie. 

Morrie soube viver e, mesmo depois de uma infância difícil, agarrou o sorriso da vida, o calor do sol, a suavidade de um chão de relva e dançou, e pensou e amou cada segundo. 

Morrie, recebe o diagnóstico de uma doença degenerativa, progressiva e inevitavelmente fatal. Desde o momento do seu diagnóstico e do aparecimento dos sintomas e da progressão dos mesmos, que adota uma postura de vida, de vida até à morte. 

Morrie é único, é verdadeiramente um professor até ao ultimo suspiro, um professor que ensina a SER, ensina a vida, ensina a morte, ensina o amor! 

Carla Martins




Neste vídeo, pode conhecer o verdadeiro Morrie Schwartz...













"Silence"

MGFamiliar ® - Thursday, February 16, 2017





Livro: Silence de Shusaku Endo



Em 1640 o jesuíta português Sebastião Rodrigues inicia uma jornada arriscada rumo ao oriente. Outrora uma nação acolhedora, o Japão tornara-se um local perigoso para os católicos. Os poucos relatos que chegam via Macau descrevem uma perseguição cruel que culmina, pasme-se, na apostasia de missionários incluindo o seu mentor Ferreira que Rodrigues tem como exemplo.

Estas são as linhas iniciais do romance do japonês Shusaku Endo (1923-1996).

Mas engane-se o leitor se pensa que se trata de “apenas” mais um romance histórico.

De facto “Silêncio” é considerada uma das principais obras nipónicas do séc. XX pois aborda magistralmente o diálogo – por vezes doloroso – entre fé e dúvida, ocidente e oriente, comunidade e indivíduo.

A biografia do escritor explica a sua capacidade para descrever estes paradoxos.

Natural de Tóquio, Endo cresceu em Kobe e foi baptizado numa época em que os cristãos representavam menos de um por cento da população.

Enquanto o Japão avançava na espiral da segunda guerra, o romancista via o ocidente como destino. Em França a doença (tuberculose), a discriminação e a dúvida assolaram o escritor.

A passagem pela Palestina criou luz na sombra e a ficção foi o palco escolhido por Endo para expressar a sua interpretação de Deus e da sua aparente ausência.

A profundidade de “Silêncio” marcou o realizador Martin Scorsese, que confessa no prefácio desta edição pela “Picador Classic”, ter lido várias vezes a obra que acabou por trazer para o grande ecrã.

Uma sugestão de leitura de Luís Monteiro







"Cartas do Tibete"

MGFamiliar ® - Sunday, November 06, 2016




Livro: Cartas do Tibete de António de Andrade


Saber que foi um português o primeiro europeu a chegar ao Tibete em 1624, pode constituir apenas uma curiosidade histórica.

Mas o que torna este livro interessante é a oportunidade de lermos o relato na primeira pessoa dessa verdadeira epopeia.

Há nestas cartas do jesuíta António de Andrade - reunidas pela primeira vez no mesmo volume - uma sinceridade que nos transporta para outro tempo e lugar em que as motivações (e ilusões?) nos parecem estranhas mas, ao mesmo tempo, inspiradoras.

E no atual contexto editorial  - quase monotemático  - é de louvar a persistência de editoras independentes como a "Livros de Bordo"  que publica livros sobre a Ásia e Oriente.

Por Luís Monteiro, Médico de Família






"A minha breve história"

MGFamiliar ® - Monday, December 14, 2015










Livro: A minha breve história de Stephen Hawking


Nesta sucinta autobiografia o célebre físico Stephen Hawking partilha como ultrapassou a Esclerose Lateral Amiotrófica e detalha (em termos ao alcance do leitor não-técnico) como decorreu o seu trabalho. Inicialmente Hawking mostrou que a relatividade geral não se aplica às singularidades no Big Bang e nos buracos negros. Mais tarde provou como a teoria quântica pode prever o que acontece no princípio e fim do tempo.

“A minha breve história” é uma oportunidade única de, sem voyeurismo,  percebermos a complexidade, as rotinas e os momentos marcantes do percurso pessoal e profissional do cientista. Uma vida extraordinária que esteve sempre ligada aos outros rompendo com a imagem fantasiosa do génio solitário.

Luís Monteiro







Glória Neto: "O Perfume"

MGFamiliar ® - Sunday, October 18, 2015



Livro: O Perfume - História de um Assassino de Patrick Suskind 



Desafiada a entreabrir as folhas de um livro que me tivesse marcado, não foi difícil surgir-me na memória “O Perfume”, que li de um fôlego só, num Verão de há já algum anos. Este livro foi-me aconselhado por um amigo que talvez me conhecesse bem. Narra a vida de Jean Baptista e tocou-me por ser um livro diferente, pela descrição de perceções em relação ao meio ambiente e às alterações psicológicas que nos podem provocar e como nos podem influenciar. Fala-nos das diferenças e deficiências que todos os seres humanos têm. A descrição dos cheiros de cada lugar e situação levou-me a senti-los intensamente, o que torna o livro muito marcante.

Nesta história só aparentemente simples descreve-se a vida de Jean, que nasceu com uma capacidade ímpar para detetar cheiros e, por causa dessa capacidade, persistentemente procurou o perfume perfeito. Passou por várias trabalhos, teve algumas vitórias ao criar aromas ímpares, mas nunca satisfeito  resolveu parar e repensar no que queria mesmo atingir, nessa altura faz uma descoberta surpreendente: não tinha cheiro. Essa revelação sobre si próprio levou-o a querer descobrir a receita do perfume humano e nessa busca obcecada tornou-se um assassino, passando o resto da vida a tentar ser “completo”, a roubar aos outros o que lhe faltava a ele...  será que podemos ter e ser alguma coisa que não venha de nós ou seja o reflexo de nós próprios?

Agradou-me a questão das diferenças - somos todos diferentes -, a persistência, os limites e como os conhecer e a demonstração de quando os cheiros podem influenciar o nosso estado psicológico.

Daqueles livros “de férias” que afinal nos acompanham para toda a vida!

Glória Neto








Philippe Botas: “A mão que nos opera..."

MGFamiliar ® - Monday, July 20, 2015





Livro: “A mão que nos opera - confissões de um cirurgião sobre uma ciência imperfeita” de Atul Gawande


Este livro fala da falibilidade, do mistério e da incerteza na medicina. Palavras que nos fazem recordar muitos casos da nossa prática clínica. Uma leitura fácil e estimulante, com uma honestidade que nos faz sentir humanos. O autor partilha casos que acompanhou durante o internato de Cirurgia Geral, mas que se enquadram em todas as áreas da medicina. Fala do processo de aprendizagem e das suas particularidades, muitas vezes desconhecidas pelos próprios consulentes. Uma reflexão sobre as nossas falhas, que muitas vezes queremos (mesmo inconscientemente) disfarçar, sob um manto da nossa profissão. A partilha e reconhecimento das nossas fragilidades deve ser aceite por todos. Sem ataques e sem medos. Sem dúvida, um livro que todos devemos ler. Um agradecimento especial ao meu orientador Luiz Miguel Santiago que me aconselhou este livro.

Philippe Botas









Luís Monteiro: "História da Ciência em Portugal"

MGFamiliar ® - Saturday, May 02, 2015

 

 

Livro: "História da Ciência em Portugal" de Carlos Fiolhais

 

 

 

Neste recente  “História da Ciência em Portugal”, o Prof. Doutor Carlos Fiolhais passa em revista o percurso da ciência no nosso país. São sete séculos de um trajecto tortuoso marcado por sombras e por alguns períodos de luz e progresso.

A visão global do Professor Catedrático do Departamento de Física da Universidade de Coimbra ajuda o leitor a identificar acasos curiosos, opções conscientes e consequências.

É de valorizar a capacidade de síntese expressa na cronologia no final do livro e o dicionário de cientistas portugueses ou estrangeiros que trabalharam entre nós.

Luís Monteiro