Hipertensão Arterial em adultos: recomendações NICE

 

 

Pergunta clínica: Como diagnosticar e tratar hipertensão arterial (HTA) em adultos (incluindo aqueles com Diabetes tipo 2)?

Tipo de artigo: As guidelines da NICE de 2019, elaboradas pela National Guideline Centre, baseiam-se em revisões sistemáticas de ensaios clínicos aleatorizados, opiniões de peritos e modelos económicos. A versão anterior foi elaborada em 2011.

Resumo das principais orientações:

  • Se a pressão arterial no consultório estiver entre 140/90 mmHg e 180/120 mmHg, pedir a monitorização ambulatória da pressão arterial (ou, se não for possível, a auto-medição) para confirmar o diagnóstico (≥135/85 mmHg). Investigar as lesões de órgão-alvo e o risco cardiovascular (RCV).
  • A HTA severa ≥180/120 mmHg) não necessita de referenciação a especialista no mesmo dia se o doente estiver assintomático (sem sinais de hemorragia retiniana, papiledema, confusão inaugural, angina, insuficiência cardíaca ou lesão renal aguda). Devem ser investigadas lesões de órgão-alvo para ponderar orientação; se lesões de órgão-alvo ausentes, repetir medição da pressão arterial em 7 dias.
  • HTA grau 1 e RCV>10%: discutir com o doente a possibilidade de iniciar tratamento (ensaios clínicos de qualidade moderada a muito baixa e modelos económicos).
  • HTA grau 1 e RCV>10% em adultos <60 anos: considerar tratamento (ensaios clínicos de muito baixa qualidade, opinião de peritos e modelos económicos).
  • Adultos >80 anos e pressão arterial >150/90mmHg: considerar tratamento (opinião de peritos).
  •  Usar senso clínico nos doentes frágeis e com comorbilidades.
  • Os diabéticos tipo 2 devem receber IECAs/ARAs como primeira-linha no tratamento de hipertensão, independentemente da idade.
  • Reduzir e manter a pressão arterial no consultório para: <140/90 mmHg em adultos <80 anos com HTA; <150/90 mmHg em adultos >80 anos com HTA (ensaios clínicos de moderada a muito baixa qualidade e opinião de peritos). Nesta atualização, reforçam para a pressão arterial dever ser “abaixo de” e não “apontar para o alvo”.

Comentário: Relativamente aos objetivos da terapêutica, as guidelines NICE mantiveram como limite a pressão arterial 140/90 mmHg (apesar da ênfase para a redução abaixo deste limiar), enquanto noutras guidelines estas metas foram reduzidas. Por exemplo, as guidelines da ESC/ESH, recomendam, se tolerado, pressão arterial ≤130/80 mmHg na maioria dos doentes e até reduzir a pressão arterial sistólica para 120-129 mmHg nos doentes <65 anos. Estas diferenças relacionam-se com as metodologias usadas; as guidelines da NICE consideram não existir evidência suficientemente robusta para recomendar limiares mais exigentes.  De referir que as presentes guidelines tiveram em consideração a redução da morbi-mortalidade a par da evicção da iatrogenia, numa óptica de prevenção quaternária.

Artigo original: BMJ
Infografia

Por José Eduardo Almeida, UCSP Montemor-o-Velho

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Fill out this field
Fill out this field
Please enter a valid email address.
You need to agree with the terms to proceed

A não perder
Menu