Estudo coorte: duração dos sintomas na menopausa

 

Pergunta clínica: Qual é a duração dos sintomas vasomotores associados à menopausa?

Enquadramento: A menopausa, para além de assinalar o término do período fértil da mulher, também pode significar sintomatologia vasomotora como afrontamentos e suores. Estas queixas podem afectar até 80% das mulheres nesta fase e são aquelas que mais afectam a sua qualidade de vida.

Desenho do estudo: Estudo de coorte (prospectivo) realizado nos EUA. Foram reunidos os dados relativos a 3.302 mulheres oriundas de 7 locais diferentes do país. As idades das mulheres variavam entre os 42 e 52 anos. O acompanhamento decorreu entre Fevereiro de 1996 e Abril de 2013. Os objectivos eram determinar a duração em anos dos sintomas vasomotores (calores e suores nocturnos) da menopausa e o tempo de persitência dos mesmos sintomas após o ultimo ciclo menstrual, bem como identificar os factores de risco associados a uma maior persistência dos sintomas.

Resultados: Das 3302 mulheres, 1.449 mulheres apresentaram sintomatologia vasomotora frequente (sintomas em pelo menos 6 dias das útlimas 2 semanas). A mediana da duração dos sintomas vasomotores foi de 7,4 anos e a mediana da persistência dos sintomas após o último ciclo menstrual foi de 4,5 anos. Durações superiores foram encontradas em mulheres que reportaram sintomas vasomotores ainda em pré-menopausa ou em fase de perimenopausa precoce (medianas de 11,8 e 9,4 anos). O mesmo sucedeu em mulheres de raça negra (media de duração dos sintomas vasomotores de 10,1 anos), mulheres com menor nível de escolaridade, com maior sensibilidade aos sintomas, e ainda com maior incidência de sintomas depressivos e ansiedade. Por outro lado, durações inferiores foram encontradas nos casos em que os sintomas apenas começaram a manifestar-se em fase pós-menopáusica (3,4 anos) e em mulheres de raça asiática (mediana de 5 anos). De destacar que algumas das mulheres continuavam a apresentar sintomas ao fim dos 13 anos de duração do estudo.

Comentário: Segundo este estudo, esta sintomatologia persiste por períodos mais prolongados do que era habitualmente considerado. Uma previsão do tempo de duração dos sintomas pode ser relevante na selecção e duração de eventual terapêutica, ponderando-se sempre os eventuais benefícios e riscos associados à mesma, e de forma partilhada com a paciente. 

Artigo original:JAMA Intern Med

Por Sandra Amaral, USF S. Julião





Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Fill out this field
Fill out this field
Please enter a valid email address.
You need to agree with the terms to proceed

A não perder
Menu