PEN-FAST: ferramenta simples para identificar doentes com baixo risco de alergia à penicilina

 

 

Contexto: O rótulo de “alergia à penicilina” encerra a porta para muitos tratamentos eficazes para várias infecções. Uma regra simples que ajude a identificar o baixo risco de alergia nos pacientes portadores desse rótulo pode ser muito útil na prática clínica.

Pergunta clínica: Que doentes com história de alergia à penicilina terão um baixo risco e poderão voltar a fazer β-lactâmicos?

Desenho do estudo: Estudo de coorte prospetivo multicêntrico com 622 adultos que realizaram testes de alergias a antibióticos (prick-tests, testes intradérmicos e/ou testes de provocação oral) para desenvolvimento e validação interna de uma ferramenta de decisão para a alergia à penicilina. Para validação externa, aplicou-se a ferramenta de forma retrospetiva numa coorte de 945 utentes também testados para alergia à penicilina. O outcome primário foi a existência de resultado positivo em qualquer teste de alergia à penicilina. A pesquisa de alergia à penicilina incluiu penicilinas, amoxicilina (com ou sem ácido clavulânico), ampicilina, dicloxacilina e flucloxacilina.

Resultados: A prevalência de testes positivos para alergia à penicilina foi de 9.3%. A aplicação da ferramenta de decisão permitiu determinar as 4 caraterísticas que mais se associaram à existência de testes positivos para alergia à penicilina – mnemónica PEN-FAST: (F) five or fewer years ago – reação há 5 anos ou menos (2 pontos); (A)  anaphylaxis/angioedema – episódio de anafilaxia ou angioedema (2 pontos); (S) SCAR – severe cutaneous adverse reaction – episódio de reação cutânea grave (2 pontos); (T) treatment required – necessidade de tratamento para o episódio de alergia (1 ponto)A necessidade de tratamento para a reação alérgica foi classificada como critério minor, tendo sido os demais classificados como critérios major. Os valores de cutoff definidos para a ferramenta PEN-FAST foram os seguintes: 0 pontos – risco muito baixo de teste de alergia positivo (0.6%); 1 ou 2 pontos – risco baixo de teste positivo (5%); 3 pontos – risco moderado de teste positivo (20%); 4-5 pontos – alto risco de testes positivos (50%). Assim, uma pontuação inferior a 3 pontos traduziu um baixo risco de alergia à penicilina (valor preditivo negativo de 96.3%, sensibilidade de 70.7%, especificidade 78.5%). Com a validação externa obtiveram-se resultados semelhantes.

Comentário: A utilização desta regra PEN-FAST pode permitir, de forma simples e com elevado valor preditivo negativo, identificar pacientes com baixo risco de alergia à penicilina, que não necessitam testes de alergénios não disponíveis nos Cuidados de Saúde Primários, possibilitando, assim, a utilização segura de β-lactâmicos. Poderá também permitir orientar pacientes com alergia à penicilina de baixo risco para realização de prova de provocação oral em vez de teste cutâneo.

Artigo original: JAMA Intern Med

Por Pedro Santos Sousa, USF Gualtar

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Por favor insira um endereço de email válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

A não perder
Menu