Marina Dias Neto @ Houston

 

 

Nome: Marina Dias Neto
Idade: 35
Especialidade: Angiologia e Cirurgia Vascular
Local: Houston, Texas, EUA

O que te levou até Houston? Há quanto tempo chegaste e quanto tempo planeias ficar?
O que me trouxe a Houston foi a possibilidade de fazer uma formação avançada em patologia da aorta (Advanced Endovascular Aortic Fellowship). Cheguei há cerca de 3 meses e esta formação tem a duração de um ano.

Como está a ser a experiência de trabalhar nos EUA?
Está a ser muito boa. Foi possível tratar remotamente (a partir de Portugal) dos principais aspetos logísticos da vinda. Por isso, a chegada e a adaptação decorreram de forma bastante serena. Há uma grande diversidade cultural no meu local de trabalho, pelo que rapidamente me senti parte da equipa e não uma estranha. Aos recém-chegados pede-se que façam um conjunto de cursos online sobre vários assuntos profissionais desde conduta no local de trabalho, conflitos de interesse, etc., até como agir em caso de mass shooting! Isto serve para uniformizar os diferentes backgrounds. O dia a dia é estimulante e muito desafiador.

Daquilo que já vivenciaste, como comparas os serviços de saúde dos EUA e o Português?
Satisfaz-me poder dizer que os métodos de tratamento aqui utilizados para as patologias da aorta não são exclusivos e, felizmente, também dispomos deles em Portugal, nomeadamente no Serviço Nacional de Saúde. O hospital em que se insere esta fellowship faz parte do Texas Medical Center e a principal vantagem formativa reside na sua elevada casuística. O volume de doentes tratados permite que os casos sejam realizados com elevada proficiência técnica e que os resultados sejam excelentes.
O que também compara favoravelmente são os diferentes momentos de discussão clínica distribuídos ao longo da semana, sempre muito participados e discutidos: M&M Conference (discussão da morbimortalidade), Grand Rounds (apresentação da casuística da semana), Interesting Cases Conference, entre outras com temas mais variáveis.
O que compara desfavoravelmente é o sistema de saúde em si, que é muito pouco inclusivo. Deparei-me com pacientes admitidos por aneurismas rotos, porque deixaram de ter seguro que lhes permitisse fazer o follow-up e o tratamento atempados da sua doença.

Se eu for a Houston como turista, o que posso esperar?
Houston é uma cidade de avenidas extensas e em que as deslocações se fazem preferencialmente de automóvel, por isso o melhor local para uma caminhada (ou uma corrida) é mesmo o Buffalo Bayou Park. A cidade prima por uma grande diversidade de restaurantes muito apelativos. Recomendo vivamente a gastronomia Tex-Mex que tem origem nos Tejanos (os texanos descendentes de mexicanos): fajitas, guacamole, salsa, enchiladas, tamales ou burritos; é só escolher.

Do que sentes falta de Portugal?
Nos tempos livres sinto falta da minha família e dos meus amigos, algo que tentamos minimizar com a facilidade em fazer uma  videochamada. Felizmente a semana de trabalho é absorvente e o tempo passa a correr!

Memorial Herman Surgical Center, Houston, EUA.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Por favor insira um endereço de email válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Médicos portugueses pelo mundo
Menu