Tratamento da bacteriúria assintomática em doentes hospitalizados colocado em causa

 

 

Pergunta clínica: Em doentes hospitalizados com bacteriúria assintomática, o tratamento com antibiótico associa-se a mais benefício do que dano?

Desenho do estudo: Estudo retrospetivo, de coorte, conduzido entre 1 de janeiro de 2016 e 1 de fevereiro de 2018, em 46 hospitais. Foram incluídos na análise todos os doentes com urocultura positiva mas sem sinais ou sintomas genito-urinários descritos, tendo sido considerada como variável de exposição o tratamento com um ou mais ciclos de antibioterapia.

Resultados: Incluídos 2733 doentes com bacteriúria assintomática, com uma idade média de 77 anos. 2259 doentes (82.7%) foram tratados com antibiótico, por um período médio de 7 dias. Os fatores associados com o tratamento com antibiótico são idade avançada (Odd ratio (OR) 1.10 por cada incremento de 10 anos), demência (OR 1.57), alterações do estado mental agudas (OR 1.93), incontinência urinária (OR 1.81), leucocitose (OR 1.55), sumária de urina positiva (OR 2.83), e urocultura com colonização bacteriana > 100 000 UFC (OR 2.30). O tratamento antibiótico associou-se a períodos mais longos de hospitalização após teste à urina (4 dias ao invés de 3). Não foram encontradas outras diferenças, nomeadamente na mortalidade, re-hospitalização ou ida ao serviço de urgência nos 30 dias posteriores ou infeção por Clostridioides difficile.

Conclusão: O tratamento com antibioterapia não contribui para ganhos em saúde do doente e esteve associado a prolongamento da estadia hospitalar.

Comentário: Este estudo reforça a necessidade de medicar apenas quando existem ganhos em saúde para o doente. O tratamento da bacteriúria assintomática é comum em pacientes hospitalizados. Pacientes mais idosos, com demência ou deterioração aguda do estado mental e aqueles com alterações do exame sumário da urina têm maior probabilidade de receber tratamento com antibióticos. O tratamento não melhorou os resultados clínicos e foi associado a um internamento mais prolongado.

Artigo original: JAMA Intern Med

Por Susana Miguel, USF Cruz de Celas 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Por favor insira um endereço de email válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Prescrição Racional
Menu