Um internato na história de uma amizade

 

A história começa ainda no Secundário, onde nos sentávamos lado a lado na sala de aula e percorríamos juntas o trajeto de regresso a casa, mordiscando um chocolate comprado em conjunto no cafezinho da esquina. Com a entrada na universidade, os nossos caminhos afastaram-se à escala de uns 300 Km, mas contrariando a distância, a amizade construída manteve-se firme. Entre aventuras e desventuras, foi o temido “Harrison” que nos voltou a juntar, mas desta vez, trocando a sala de aula pela biblioteca e os chocolates por muito café e doces húngaros. No dia da escolha da especialidade, separadas de poucas horas, estávamos longe de imaginar que iríamos viver juntas mais uma aventura. Eis que a Unidade de Saúde Familiar Vale do Vez iria ser a nossa futura “casa” e Arcos de Valdevez a terra que tão bem nos acolheria.

 

Partilhámos as expectativas inerentes ao início do internato, bem como os receios e as dúvidas. A presença de uma pessoa que nos é tão próxima facilitou a integração num local até então desconhecido.

 

Partilhámos as expectativas inerentes ao início do internato, bem como os receios e as dúvidas. A presença de uma pessoa que nos é tão próxima facilitou a integração num local até então desconhecido, sem no entanto nos ter limitado na relação com outros colegas e na formação de novas amizades. Em conjunto, fizemos centenas de viagens, estudámos, realizámos trabalhos e participámos em congressos, cursos e jornadas.
Também vivemos momentos menos bons, como em qualquer amizade, fruto de stress, ansiedade e insegurança, mas fomos sempre porto de abrigo no meio da tempestade. E, apesar de nem sempre estarmos de acordo uma com a outra, a confiança que advém de uma amizade tão longa, propiciou o crescimento pessoal e profissional ao longo do internato.
Hoje, na reta final destes quatro anos, apercebemo-nos que foram as diferenças marcantes das nossas personalidades que permitiram tudo aquilo que temos vivenciado. Com este pensamento nas nossas mentes, questionamo-nos: seria possível fazer o internato sem a melhor amiga por perto? Claro que sim! Mas não temos dúvidas de que somos muito mais felizes pela sorte de vivermos esta experiência juntas!

Por Daniela Lisboa e Joana Pedrosa
Internas de Formação Específica em Medicina Geral e Familiar, USF Vale do Vez

 

 

 

MaisOpinião +
Menu